quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Passos do passado

Incrível estar aqui nas Minas Tão Gerais.
É como dar passos pelo passado: o cheiro do ouro e da gente que morreu por causa dele. O rastro de quem procurou sobreviver, enriquecer. Quem não se importou em explorar. Quem achou que isso era o correto. Até os incofidentes eram contra a escravidão.
Escravidão. Que tipo de loucura foi esta? Que tipo de loucura foi esta que não parecemos nos importar tanto? Que tipo de loucura foi esta que não parecemos nos importar tanto e que aí precisamos visitar museus para lembrar?
E as igrejas? Tanto ouro. Por que a vida valia tão pouco e Deus deveria ser medido nestes minerais?
História que deveria ser contada somente desta maneira.
Assim deveria ser a escola. Os alunos deveriam entrar nas minas, como a que entrei hoje. Sentir o arrepio do medo, as lembranças daquele horror. Tudo em nome de uma raça. Para relembrarmos nossos tempos de Hitler em terras brasileiras. Somos tudo isso.

2 comentários:

Petê disse...

Eu sou apaixonado pelos seus comentários. Ler um diário de viagem seu deve ser um prazer e tanto.

Beijos e aproveite!

Rafael Cury disse...

Como diria Cecília, em Romanceiro da Inconfiência. Toda fez que um justo fala o carrasco vem calar. Quem não presta fica vivo, quem é bom mandam matar. Divirta-se nas Geraes.