quinta-feira, 22 de maio de 2008

Definições das crianças

Quem não tem uma para contar?
São ótimas para o nosso SPC - Sistema Pessoal de Convicções.

Adorei uma definição que uma criança deu para biblioteca. “Biblioteca é um lugar cheio de silêncio”.
Estas são do Dicionário de Humor Infantil, do Pedro Bloch:
- Relâmpago é um barulho rabiscando o céu.
- Palhaço é um homem todo pintado de piadas.
- Sono é saudade de dormir.
- Arco-íris é uma ponte de vento.
- Deserto é uma floresta sem árvores.
- Felicidade é uma palavra que tem música.
- Rede é uma porção de buracos amarrados com barbante.
- Vento é ar com muita pressa.
- Cobra é um bicho que só tem rabo.
- Avestruz é a girafa dos passarinhos.
- Calcanhar é o queixo do pé.
- Chope é o refrigerante de adulto.

E o meu amado livro Mania de Explicação, de Adriana Falcão , uma espécie de dicionário poético das coisas que não conseguimos definir para as crianças. Lindo. Não consigo ter preferidas, mas há algumas que adoro:
- Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue. - Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.
- Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.
- Perdão é quando o Natal acontece em maio, por exemplo.

5 comentários:

patricia disse...

Amei. Bjs.

Gabriel disse...

Cris, as crianças vivem de coincidências. Reaprender a viver assim, isso é o que é. O que há!

Gabriel

SADY FOLCH disse...

Por falar em crianças, tem um novo comentário na sua postagem do sabiá....coisas de uma criança para outra.
Beijos
Sady

PS. volto aqui para postar um pequeno poema que tenho sobre as crianças

Nanete Neves disse...

As convicções infantis são as melhores....queria poder voltar no tempo e conseguir pensar a vida assim, de jeito tão simples.
Um beijo querida

Malu Echeverria disse...

Lindo!
Bjs.